Buscar
  • Eduardo

Ruídos de boca e outros durante a gravação

Atualizado: há 4 dias


Olá, neste post, eu quero falar um pouco sobre o ruído de boca, estalos de língua e outros pequenos ruídos que ocorrem durante a gravação de voz e que são notados principalmente quando se utiliza um microfone condensador que capta muito bem, até os sons mais baixos e que muitas vezes nem percebemos durante a gravação. Quero deixar claro que estou falando da gravação de voz para locução principalmente, pois nesse caso a voz é a protagonista. Se for em uma canção, por exemplo, esses ruídos podem ficar escondidos por outros instrumentos.


A principal forma de não ter ruídos é evitando-os certo?


Para evitá-los, devemos atentar a diversos pontos: desde a roupa, acessórios, o próprio lugar em que estamos gravando, nossa fisiologia e até seu próprio equipamento.


Roupa:

Evite tecido sintético que faz ruído quando roça nele mesmo ou em algo ao seu redor. Roupas com partes móveis como zíper e gorro também podem gerar barulhos ao mover-se.

Eu particularmente entro sem calçado nenhum na minha cabine para que não seja mais um item de preocupação, apesar que a principal razão é pela limpeza mesmo.


Acessórios:

Evite acessórios que balancem com o movimento e causem ruído. Atenção para o fato que mesmo o menor ruído será captado pelo mic. Então correntinha, relógio, pulseira, brincos pendurados, etc são uma fonte perfeita de sons indesejáveis que dificilmente você identificará sua origem durante a edição, portanto é importante evitá-los. A propósito, tive um problemão com uma corrente que uso no pescoço e que demorou para descobrir, pois era ocasional e o interessante é que ele surgia quando eu fazia movimentos bruscos e você sabe... quando está tentando dar uma melhor interpretação para seu material, caras e bocas e gestos são uma ordem..rs, afinal a voz é corpo e o corpo é voz.

Local de gravação:

Se o local em que grava foi projetado e construído com essa finalidade, então este não deve ser uma dor de cabeça pra você, mas pode ocorrer, então atente-se aos detalhes. Se estiver gravando em um local improvisado como um closet ou armário, veja se não tem peças penduradas próximas ou mesmo no piso que ao serem mexidas, geram ruídos.

Como minha cabine foi construída por mim mesmo com material reciclável, ela não passou por uma grande fase de projeto e testes, então podem surgir surpresas eventualmente. Apesar de ela ser bem robusta, descobri recentemente um pequeno ruído no piso que era gerado quando eu pisava em no canto de uma placa de madeira. Esta por sua vez roçava na outra e saia um rangido que me incomodava mesmo estando de baixo do carpete e de um tapete grosso. Nada que dois parafusos não corrigissem!


Nosso corpo:

Bom, esse é um dos mais difíceis de se corrigir e talvez o mais comum de se encontrar.

Se você tem problemas de digestão, além de causarem salivação excessiva, também podem fazer uns barulhinhos indesejáveis que podem ser captados.

Como dito, o excesso de salivação vai gerar ruídos na boca, não só da boca excessivamente húmida, mas se estiver falando frases mais longas, pode começar a surgir um ruído da saliva indo para os lábios e que dará a impressão de que está falando cuspindo, levemente é lógico. Por outro lado, a boca seca demais também vai gerar ruídos como se a língua e bochechas estivessem grudando.

Portanto, para evitar estes dois problemas, a melhor forma é manter-se hidratado. Isso não significa levar a garrafa de água na cabine e beber água durante a gravação. Você deve sim levar água para a gravação, mas para MANTER a hidratação e umedecer a boca quando esta estiver seca, porém a hidratação correta tem que começar pelo menos umas duas horas antes da gravação, ou seja, procure manter-se hidratado o tempo todo para evitar problemas.

foto de uma garrafa transparente de refrigerante de um litro e meio com a tampa verde, cheia de água e sobre uma mesa com um computador.
garrafa d'aguaf

Eu ando com uma garrafa de refrigerante de 1,5 litros para onde vou e meu objetivo é tomar uma garrafa e meia por dia. Funciona viu!! é um controle visual, pois você vai acompanhando o horário e vendo o quanto já bebeu, o que te motiva a ir dando outros goles.


Observação importante: Ao bebermos água, o líquido não irá molhar as cordas vocais. Se isso ocorrer é porque está respirando água e irá se sufocar :). Por isso não adianta beber muita água durante.




Foto de um inalador portátil e suas peças.
Inalador portátil

Uma alternativa boa para os dias secos é a inalação. Ela não substitui a ingestão da água, mas auxilia na hidratação das vias aéreas como complemento. Ela leva a umidade para o canal respiratório umidificando-o e também ajuda a limpá-lo. Lembrando que não é necessário o uso de nenhum medicamento, apenas o soro fisiológico. Deixo aqui o link deste produto que eu tenho há dois anos e que até o momento não me deu nenhum problema. https://glenmarkpharma.com.br/produtos/nebzmart/


Uma fono e também atriz e professora de locução, uma vez recomendou esses inaladores portáteis como o da foto acima. Particularmente este é o meu e é excelente. Ele funciona com duas pilhas AA ou ligado à tomada por meio de um cabo próprio e um carregador de celular. Não é caro, silencioso, prático e vem em uma mini frasqueira que facilita e protege no transporte.


As minhas idas e vindas dos médicos para descobrir as causas destas alterações na voz, estão relatadas neste artigo.


Eu também recebi algumas sugestões para a hidratação:


A primeira delas é o Spray de soro fisiológico com jato contínuo.

foto de um frasco de spray de soro fisiológico de jato contínuo
Spray de soro jato contínuo

Este é de uma das marcas mais conhecidas no mercado. São dois jatos em cada narina e ao terminar, você joga a embalagem fora, mas há também uma outra marca que após terminar o produto, você pode abrir a embalagem e enche-la com o soro fisiológico comprado na farmácia e que é bem barato.




A segunda sugestão, mas que não é tão eficaz, é aplicar o soro fisiológico com um conta-gotas.

foto de um frasco marrom com rótulo branco e roxo e o conta gotas do lado de fora.
Conta gotas

Eu usei bastante este método quando ia para São Paulo fazer meu curso e como ia de ônibus, para evitar que o ar condicionado ressecasse ainda mais as vias aéreas, eu esguichava o quanto conseguia carregar a ampola em cada narina. Eu preferia este ao spray por questão de espaço na mochila, mas como disse, ele não tem a mesma eficiência do spray que tem uma extensão maior de aplicação.


Quero deixar claro aqui, que não sou endossado por nenhuma das marcas apresentadas aqui e que não recomendo nenhuma das práticas aqui descritas como tratamento para os que estão lendo este artigo o qual apenas descreve o que foi recomendado para mim e o que funcionou ou não. Caso você tenha algum problema respiratório ou de outra natureza que se relacione com o que passo aqui, recomendo que procure imediatamente um médico.


Resumindo: a inalação hidrata de fora pra dentro e a ingestão constante de água hidrata de dentro pra fora. Sem contar que a correta hidratação também tem inúmeros outros benefícios para a saúde, já que nosso corpo é constituído em grande parte pelo líquido.

Quanto a alimentos que ajudam ou atrapalham na gravação há divergências e vou comentar algumas que concordo e outras que não:

  • Derivados de leite e o próprio leite: Estes produtos aumentam a secreção no corpo mesmo você não tendo alergia a lactose. Pode ser que a reação seja apenas um leve pigarro, mas já é algo que atrapalha durante a gravação.

  • Doces e chocolate: Não são proibidos e nunca ouvi que geram problemas diretos às cordas vocais, porém, para mim, engrossam a saliva e aí já viu né? então procuro evitá-los. Se não sabe o que é saliva grossa, experimente comer um pedaço de chocolate antes da gravação! Vai parecer que está comendo graxa ao falar ...rs

  • Maçã: Muita gente diz que ajuda a voz. Já ouvi Fonoaudiólogos especialistas em voz profissional dizerem que não ajuda a voz. O que fazem é ajudar na articulação por conta da mastigação, como se fosse um exercício de aquecimento e também na limpeza da boca de resíduos que podem causar problemas durante a gravação. Eu tenho tentado fazer isso às vezes. Não sempre pois o que recomendam é a maça verde que nem sempre é encontrada na feira e se você faz gravações esporádicas, provavelmente não vai comê-la inteira e aí ela oxida, fica preta, estraga, etc. Quando dá eu levo uma maçã pequena vermelha mesmo, cortada em gomos e deixo mergulhadas em uma vasilha de água e em intervalos eu como um pedaço. A maçã é adstringente e funciona como um detergente na boca. Pode funcionar para alguns e não para outros.

  • Mel, gengibre, romã: Neste caso tem diversos pontos, desde simpatia a lendas. O mel é um alimento rico e também um medicamento natural, mas não acredito que seja algo para se ingerir antes de uma gravação. Gengibre é muito bom, mas aumenta a pressão e pode causar uma irritação na garganta se usar logo antes de gravar. Romã é algo que meus avós diziam que era bom pra garganta, mas para eles a garganta envolvia tudo, desde amígdalas até esôfago.

  • Comidas picantes e muito condimentadas: Estes tipos de alimentos podem causar irritação na garganta e salivação excessiva. Então também evite ingeri-los.

Resumindo a parte de alimentos, faça um teste tirando alguns por um tempo e vendo se causam alguma reação positiva ou negativa em seu organismo. Eu fiz e continuo fazendo.

Neste artigo (link abaixo), você encontra uma matéria mais completa com a explicação de uma especialista.


http://www.karynemagalhaes.com.br/tratamentos/saliva-disfuncoes-salivares/


Equipamento:

Quanto ao ruído dos equipamentos, não sou a pessoa mais indicada para isso, mas vou indicar alguns pontos de atenção:

  • Cabos e conectores são um ponto crítico. As pessoas se preocupam com o restante, mas esquecem que tudo é interligado por estes itens, então acabam sendo o elo fraco de seu sistema, portanto utilize os de qualidade razoável.

  • A sua interface, e o próprio computador também podem gerar ruído, então evite rodar outras coisas enquanto grava. Veja se a taxa de transmissão de seu computador, software e interface estão casando.

  • Tamanho do buffer: Este é um item que demorei para me ligar, mas não é complexo não. Basicamente trata-se da quantidade de informação armazenada pelo seu programa de gravação até ele gravar no disco. Recomenda-se que utilize um tamanho de buffer baixo (96, 128 ou 256) para gravação e maior (1028) para edição ou mixagem. Estas alterações eu fazia religiosamente no Pro Tools nas versões anteriores (<2020), pois percebia problemas. Já nas últimas versões, eu parei de alterar pois o gerenciamento do próprio PT melhorou muito. Por outro lado, no Adobe Audition, eu nunca alterei e nunca tive problemas.

  • Alterações na corrente elétrica e falta de aterramento. Estes são outra coisa que deixamos de lado, pois em geral o estúdio em casa vai crescendo aos poucos e num canto da casa que pode abrigar o seu hobby. Desta forma vamos conectando computador, interface, pré, monitor 1, monitor 2, monitor 3, monitores de referência, HD externo, carregador para celular, luzes de enfeite, etc, etc, etc. Provavelmente utilizando dois benjamins (ou "T" como muitos chamam) e depois passando para uma régua com diversas tomadas. Então atenção. reserve um tempo para um dia revisar a rede elétrica ou peça para alguém especializado fazê-lo. Tente colocar um fio terra e separar um grupo de disjuntores para os itens do seu estúdio. Mantenha ar condicionado e iluminação em disjuntores exclusivos e tente usar um filtro de linha, mesmo que semiprofissional para ajudar na composição do sistema. Muitas vezes estes ruídos não são estalos, mas um zumbido na frequência de 60Hz que aparece em toda a gravação.

  • Cuidado com notebooks. Já ouvi muita gente falando que grava no note perfeitamente quando está desconectado do carregador, mas basta conectá-lo para surgir o bendito zumbido. Não sei explicar o motivo, mas é uma causa bem comum. Tente ver se colocar em uma tomada com fio terra ajuda ou não. Se não, mantenha o note carregado para a gravação e depois conecte-o durante a edição também podem ser uma fonte.

Técnica:

Sim, a técnica pode ajudar a evitar ruídos indesejados. Não tenho grande experiência assim na área para listar todas as técnicas possíveis, mas uso este espaço para alertá-lo que sim, a técnica que você usa para locutar, ajuda muito:


  • Abrir e fechar da boca: Uma vez estava avaliando a gravação de uma grande amiga, a Camila, que disse que estava com muitos ruídos de boca. Eu coloquei no programa e comprimi bastante para trazer todos os ruídos possíveis, mesmo que fosse um tratamento irreal de áudio. Minha conclusão foi que 80% dos ruídos foram devidos ao abrir e fechar de boca entre palavras e frases. Tudo bem que depois ela descobriu que tinha um problema no maxilar devido a uma queda, mas a maioria dos ruídos era de lábio. Aí você pergunta: mas como não vai abrir e fechar a boca ao falar? Calma que eu já explico. Ao terminarmos algumas frases, temos a tendência de fechar a boca para respirar e relaxar até a próxima parte que virá em menos de um segundo. Fechamos a boca e abrimos para começar a nova frase. Este abrir e fechar de boca causa um ruído péssimo que mesmo que seja facilmente editável, pode ser evitado. Então quando fizer aquelas respirações rápidas entre frases ou parágrafos, tente não fechar a boca, quero dizer, os lábios, pois ao abri-los sempre haverá um ruído. Essa técnica é boa e você se habitua rápido com ela, mas cuidado para o acúmulo de saliva que começa a ocorrer na boca. E isso leva ao próximo tópico

  • Umidade da boca: Durante o trabalho, você se acostumará a notar se a boca está seca ou úmida demais e muitas vezes, um passar de língua por dentro da boca ou ingerir um pequeno gole de água já ajuda. Se o problema for de umidade excessiva, então limpar a boca com a língua e engolir a saliva ajuda.

  • Assepsia: Uma assepsia na boca antes da gravação é uma boa, mas não se preocupe, não vou sugerir que lave com iodo não. Algumas sugestões são:

  • escovar os dentes,

  • Mascar um chiclete de menta ou algo parecido (para algumas pessoas funciona),

  • Comer uma maça como já foi falado, mas cuidado com os resíduos.

  • Aquecimento: Antes da gravação, é quase mandatório fazer um aquecimento. Alguns podem pensar que isso não afeta na produção dos ruídos, mas pode afetar sim. Há algumas palavras que podem ser mais difíceis de serem pronunciadas como o lh e o cl, fora a articulação das palavras, em geral, e neste caso, o aquecimento pode auxiliar.

Ok, ok, você está se atentando para tudo acima, mas eles ainda ocorrem!

Tuuudo bem! Acontece com todos os profissionais

Desta forma, se você tem um problema mais sério, recomenda-se que procure um especialista na área, mas se não há nada de errado com você e os ruídos ainda persistem, saiba que é normal e tem formas de remediá-los. Desde minimizando-os durante a locução até eliminando-os na pós produção.


Estes são os pontos principais para se evitar os ruídos durante a gravação. Certamente você tem outras sugestões e agradeceria se compartilha-se aqui neste blog.


Eliminando os ruídos na pós produção:


A eliminação na pós produção é a última alternativa, mas é muito usada, pois é impossível evitar tais ruídos, apenas minimizá-los.


Com a experiência que adquiri neste tempo eu cheguei à conclusão que a utilização destes plug-ins para a eliminação de clics funciona para alguns casos e não para outros então eu prefiro não os usar para os ruídos de boca. Quando o caso é de diversos pequenos estalos por uma boca um pouco mais úmida, aquele caso do áudio mais brilhante, eles até atenuam, mas para os de boca eu definitivamente não utilizo. O mesmo ocorre com a respiração, prefiro tratá-las uma a uma, pois estes plug-ins apenas reconhecem certos perfis de áudio e os tratam então não quero correr o risco de perder um P ou um T ou algo que o valha, é muito arriscado.


Então a técnica é ouvir o seu áudio e ir tratando cada um, mas aqui vale outro ponto extremamente importante: UTILIZE O FONE DE OUVIDO nesta etapa. Se desse para colocar a frase piscando, também utilizaria. Colega, seus monitores podem ser bons, os meus são razoáveis, mas os problemas no áudio mais sutis podem passar desapercebidos, então use-os ao seu favor. Se depois quiser abrir para o som dos monitores para acertar o restante, tudo bem.


E para tirar os clics eu utilizo algumas manhas que servem para cada caso como segue:


  • Utilizar um gate: Esta é a primeira e mais imediata e dá resultado. Utilize o plugu-in como a primeira instância dos seus efeitos para ele deixar o áudio pronto para os seguintes, mas tome cuidado com o threshold alto, pois ele pode começar a cortar o início das palavras. Ataque também merece atenção. Então use um valor bem baixo, eu uso em torno de (-48dB), um ataque rápido (3ms) e se ele não resolver, atenuará bastante tornando-os quase imperceptíveis.

  • Redesenhar a onda: Se o problema for como o mostrado na foto abaixo, se você pegar a ferramenta de caneta ou algo similar no seu DAW, neste caso estou usando o Pro Tools, o Audition já não possui esta ferramenta. e simplesmente sobrepor a forma da onda com a caneta como deveria ser, o resultado é fantástico e imperceptível


  • Cortar o mal pela raiz: Há casos que vale mais a pena apagar o ruido como no caso da foto abaixo. Esta amostra é um ruído ambiente com respiração e o clic no meio, ou seja, como não é nada útil, você pode simplesmente selecionar e apagar. Se este corte irá encurtar seu áudio e comprometer o trecho, então cole um pedaço de silêncio gravado de sua cabine com o mesmo comprimento.


  • Sobrepor a parte ruim:  Esta é a última alternativa. Neste caso o que se faz é selecionar um trecho bom e similar na forma e colar sobre o trecho ruim. Na foto abaixo, na onda central tem uma verdadeira festa nessa onda. Deve ser o barulho da correntinha que falei antes. O que podemos fazer nesse caso é apagar a onda como já foi falado ou copiar o trecho da onda mais à direita ou à esquerda e colar sobre ela. É uma duplicação da parte boa sobre a parte ruim.

Vale observar que tanto o apagar quanto o sobrepor têm que ser feitos com atenção. Para o caso de apagar, se for um ruído como o exemplo acima, é só mandar bala, mas se for como acima, é bom pegar um ciclo completo e eliminá-lo por inteiro. Quando falo ciclo, me refiro à menor parte da onda que se repete. Já para a sobreposição, eu costumo pegar os dois trechos que cruzam com a linha central de zero dB, o ponto imediatamente antes do ruído e o imediatamente depois. Eu identifico estes pontos na parte boa, copio este trecho e colo na mesma porção da ruim. Escolhi o zero, pois é a melhor referência para não errar.


  • Plug-ins: Como eu havia dito, eu não os uso geralmente, mas com o tempo tenho testado alguns que estão dando um bom resultado e vou listá-los abaixo:


  • iZotope RX# Mouth De-click (# é a versão. Eu uso o RX7, mas já existe o RX9)

foto de uma tela de plugin utilizado para retirar ruídos de boca.
Izotope rx mouth click

Ele é muito bom e retira uma boa quantidade destes ruídos sem gerar artefatos e estragar seu áudio.

A propósito o RX possui um pacote de outras ferramentas que vale a pena você dar uma olhada.

https://www.izotope.com/en/products/rx/features/mouth-de-click.html


  • Plugin Alliance Transient Designer

foto de outro plugin que pode ser utilizado para ajudar na eliminação de alguns ruídos.
Transiente designer

Este plug-in não tem a função de remover ruídos, mas eu fiz alguns testes com ele pois notei que o transiente para algumas vogais de início de palavras começadas com "c" e com "p" eram duplicados, gerando um estalo maior no som. Com este plug-in você consegue atenuar um pouco este início das palavras, mas tem que tomar cuidado para não eliminar demais e ficar um som mudo. Você pode tentar fazer isso com um compressor também, mas não obtive bons resultados com compressores.

https://www.plugin-alliance.com/en/products/spl_transient_designer_plus.html


Eu já usei o De-click da Waves, mas não tive bons resultados, mas você pode tentar. Se fizer uma busca na internet por De-click, encontrará diversos plugins e inclusive algum gratuito.


No vídeo abaixo eu mostro como faço isso na prática durante a edição.


https://www.youtube.com/watch?v=lkLZoy9E0Js


Caso você queira sabe um pouco dos programas que uso para tratar áudio aqui no estúdio, eu falei um pouco em um artigo aqui no blog.


Conclusão:


A existência de ruídos em um material gravado é praticamente inerente ao processo de captação de um som gerado por um ser humano, ou seja, ele vai existir, mas você consegue minimizá-lo tomando algumas precauções e aprimorando sua técnica.

Se não conseguiu reduzi-los durante a captação, então trate-lo na pós-produção, seja editando um a um ou com o uso de plugins.

Mas acima de tudo, preste atenção e seja coerente. Não tente deixar o som perfeito. Elimine os que causam maior distração, mas não precisa tirar 100%! Use o bom senso, pois em muitos casos haverá uma trilha sonora e talvez até efeitos junto de sua voz e estes pequenos clics nem serão notados.

Além disso, se estiver gravando um áudio-livro, imagine o trabalho que terá para editar oito horas de gravação?!

Caso esteja tomando todas as precauções que listei neste blog e ainda assim você nota muitos ruídos, procure um especialista, seja ele alguém mais experiente em edição de áudio para avaliar seu material e dar uma opinião do que possa ser ou um especialista na área de medicina como um fono ou um otorrino e explique o problema.


Espero que tenha gostado. Deixem sua opinião e até a próxima.


738 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo